Daniel David

«Tenho ainda muito a fazer por Moçambique»

\\ Texto Filomena Abreu
\\ Fotografia Daniel Camacho

A sua presença não passa despercebida. Como poderia? Se não fosse pelo seu curriculum ser já conhecido, então seria pela forte personalidade que transmite num simples gesto de um aperto de mão. Seguro. Sincero. Mesmo que apressado, porque no mundo do jornalismo o planeta dá cinco voltas sobre si num só dia. Por isso não foi fácil ?apanhá-lo?, mas sabíamos que valeria a pena. Dedicou grande parte da sua vida à comunicação. Hoje é respeitado pelo trabalho feito. Principalmente porque criou a Sociedade Independente de Comunicação ? SOICO ?, o único grupo de media privado no país, que agrega o canal de televisão STV e STV Notícias, a estação de rádio SFM, o jornal diário O País, entre outros projetos.

Fundou o Grupo SOICO com 36 anos de idade. Como resumiria o seu percurso de vida até esse momento?
A minha vida é baseada em desafios e procura de excelência em tudo quanto me proponho fazer. Depois de um longo percurso profissional na televisão pública (onde iniciei como técnico e mais tarde passei a membro do Conselho de Administração) propus-me enfrentar mais um desafio. Foi assim que decidi criar o Grupo SOICO, o único grupo de media privado em Moçambique que congrega a televisão, a rádio, o jornal, para além de projetos inovadores como o MOZEFO e o MOZTECH.
 
O que o levou a criar este ?gigante??
Eu tinha um sonho de infância que era o de desenvolver um projeto capaz de fazer a diferença e que pudesse deixar um legado à sociedade moçambicana. O nascimento do Grupo SOICO foi a materialização deste grande sonho. O SOICO nasceu da necessidade de concepção de um projeto inovador e de referência para Moçambique e além-fronteiras.
 
Quais os grandes desafios que um grupo privado enfrenta em Moçambique neste momento?
O grande desafio que o Grupo SOICO enfrenta é o elevado índice de analfabetização da sociedade moçambicana. Este fator representa uma barreira à inovação tecnológica. A falta de disseminação das tecnologias de informação e comunicação e a falta de estruturas capazes de suportar a inovação tecnológica são também entraves para um grupo de media como o nosso, que aposta na inovação tecnológica. Mas, de uma forma geral, os grandes desafios que os órgãos de comunicação privados em Moçambique enfrentam são idênticos aos dos órgãos de comunicação estrangeiros. Hoje a comunicação é global, a informação está à distância de um mero clique num tablet, computador ou smartphone, os nossos leitores e telespectadores têm acesso a conteúdos de toda a parte do mundo. Neste contexto, é imperativo estar sempre na vanguarda da inovação tecnológica. Hoje ter um jornal não se resume apenas a ter uma edição impressa, mas também uma edição digital, uma edição online e presença forte nas redes sociais. O mesmo se passa no caso da televisão ou da rádio.

«Eu tinha um sonho de infância que era o de desenvolver um projeto capaz de fazer a diferença»

Qual a principal estratégia do Grupo?
A estratégia do Grupo SOICO assenta em quatro pilares fundamentais que são: a inovação, a diferenciação, a tecnologia e os recursos humanos.
Quando há 13 anos lançámos a STV fomos inovadores nos formatos e diferenciadores nos conteúdos, o que nos permitiu alcançar a liderança das audiências. Estes mesmos princípios estiveram presentes quando criámos o jornal O País, a SFM, quando tomámos a decisão de internacionalizar o Grupo através da STV Notícias e mais recentemente quando lançámos projetos como o MOZEFO e MOZTECH. Contudo, no sector da comunicação não se consegue continuar a inovar e a ser diferenciador se não se apostar em tecnologia de ponta. Temos apostado na tecnologia como fator de simplificação de processos e naturalmente de diminuição de custos, o que tem sustentado o nosso crescimento. Por último, deixei aquele que é o pilar fundamental da estratégia do Grupo SOICO: os recursos humanos. O capital humano é a base do sucesso do nosso grupo, ao longo dos anos temos apostado em profissionais de excelência com atitude empreendedora, persistente, criativa e com espírito de iniciativa que têm contribuído para o crescimento do Grupo.
 
O que se espera dos canais de comunicação que o Grupo detém ? televisão (STV e STV Notícias), rádio (SFM) e jornal (O País)?
A STV é o canal líder de audiências em Moçambique e o nosso objetivo é continuar a oferecer aos nossos telespectadores formatos inovadores e conteúdos diferenciadores que nos permitam consolidar a liderança. A STV Notícias tem sido uma plataforma de debate e de inclusão, onde todas as vozes podem ser ouvidas. A SFM é uma rádio jovem e de entretenimento e estamos muito satisfeitos com a aceitação que tem tido. O nosso plano passa por continuar a segmentar os nossos produtos e lançar, em breve, mais conteúdos específicos. O País é visto como um jornal de opinião e de referência para um segmento da nossa sociedade onde estão os principais decisores do país como gestores, políticos, académicos, empresários e investidores. Atingimos este patamar pela credibilidade, imparcialidade e acutilância do nosso jornalismo.


Ler entrevista completa >>

PARTILHAR O ARTIGO \\